amo !

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Te provocar....!







Copacabana, 31 de dezembro, apareço na praia. Saudar o ano novo, fogos, Iemanjá. Quero te ver, te provocar. Apenas minha calça branca, sandalia branca, sem camisa, deixo o mar me tocar, me molhar. A calça enxarcada me cola no corpo, me mostra. Calor, no alto, clarões espoucando, felicidades, abraços, apertos de mão. Minha pele molhada te vê, me aproximo de ti. Finjo não ver, olhas num relance meu corpo. Continuas andando, flores brancas na mão, depositas no mar. Um pedido, um olhar pro céu. A onda leva junto com as flores, tua esperança, tua oferenda. Voltas, um outro olhar, me aproximo. Meu corpo querendo, teu corpo esperando. Cumplicidade. Naquele imenso de gente, te encontro, te encosto. Deixas teu corpo me sentir, de costas pra mim. te tocar. Contato, forte, querido, almejado. Agora sentido, provocado. Os fogos continuam, olhando para o alto, beleza se abrindo em clarões. Meu corpo se aperta mais ao teu, te provoco. Sem forças de sair, se deixa . Por um minuto continuamos assim, rijo, na calça branca molhada. Saio, tua mão esbarra na minha, um segundo de desejo, de querer, de segurar, apertar. Teu olhar encontra o meu, desce o meu corpo . Me vê. Suspiras. Teu olhar pedinte, teu corpo, meu olhar , meu corpo, o mar, areia, fogos, Iemanjá. Desejos, paixão. Feliz 2009, sussurro. Na certeza de ter, sorris...

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Te achar...!


Por entre figuras de estilo e linguagem,
tento em palavras
te desenhar,
Não consigo.
Busco
nos eufemismos e antiteses,
te inventar, te achar, te criar.
Não consigo.
Como pobre criador que chora
por uma obra final, impossivel.
Tento te inventar pra mim,
te descrever pra mim.
Te procurar.
E te busco,
voando atras do teu vôo.
Anjo que és,
inalcançavel
nas térmicas da minha angústia.
Planando minha tristeza
em asas ansiosas.
Mas com a felicidade
de tentar.
Te descobrir
num espaço sem fim.
Incertezas,
e nessa eterna procura
eu vivo,
e nesse vôo irreal
eu choro,
mas vôo, vôo, vôo.........

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Desejos...!


Se abres
pura luxúria
em cínico sorriso
num despudor de si.
Se mostra.
O
teu centro pedinte.
Acintosa
se dando,
inferno e paraiso.
nessa linha imáginária
que te separa
em desespero e prazer.
medo e vontade
corpo febril,
enxarcado.
Louca, alucinada,
faminta.
Fêmea entregue,
banhada no cio.
Perdida na visão da distância
que desejas,
que te consome,
que se esvai....!

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Se ache...!




me envolva
no caminho da tua procura,
me esconda
no teu corpo.
Me engula.
Me prenda
entre as pernas no teu corpo nú.
Se ajoelhe
como para rezar pelo pecado do teu delirio.
úmida
me sinta ,
me puxe para o fundo dos teus principios.
Se aperte, me tenha ,
sem repressões, sem ressalvas.
sinta nos teus espasmos
o espoucar do meu desejo.
No retesar do meu corpo, o tremor incontido do teu.
se perca nos teus murmúrios.
se ache em meus gemidos.....!



domingo, 14 de dezembro de 2008

Poeta de Brinquedo





quem sou eu?? um poeta de brinquedo, que gosta de escrever. De imaginar.que gosta de amar, de amor, de fazer. Que gosta de gostar. De dar prazer, como forma de receber. Sou, as vezes,uma mentira de verdade, ou uma grande verdade nesse mundo de mentira. Sou o que voce deseja, o que anseias. Sou uma foto em preto e branco,para ser colorida pelo teu desejo. Sou a interrogação constante nas tuas afirmações. Sou o sim dentre todos os teus nãos. Sou o que tu esperava, sou teu sonho de menina, um principe com sapato na mão ou subindo pelo teus cabelos, ou até o personagem esperado nos Titanics da tua vida. Sou tua volta, tua insensatez. Teu desconhecido íntimo, teu bilhete amassado. Um sonho, as vezes molhado, suado. Um sonho que tu quer verdade. Um sonho que te dá medo de ser, de ter. Sou quem sabe, a angustia das tuas reações. Do acordar, do ser ou não ser. Do ter ou não ter. Sou teu mistério, teu desejo, o motivo de um pecado. Ou simplesmente quem sabe, apenas mais um texto quase poema, desse poeta de brinquedo...!

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Sensações....!






Me
percorre ainda latente
teu gosto
teu gozo.
teu cheiro.
Sensações
no triangulo lúdico
do teu corpo,
encruzilhada das minhas oferendas,
aflição dos meus pecados.
posse das minhas fraquezas,
no teu despudor em mim...!

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Uma Mulher...!


simplesmente
te achei.
Te tirei dos devaneios,
te arranquei
dos contos,
dos sinos,
dos sonos.
Dos sonhos
sem ter.
Da vida sem vida,
da sombra.
Do marasmo das horas.
Te puxei da janela
sem graça.
Da vida passante
te despi.
Deflorei tuas ilusões
sem cor,
te tirei de ninguem.
Te mostrei
na mulher em ti
a mulher esquecida de ser,
com medo de ter.
Perdida no espaço,
no tempo.
E te amei.....!

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Me Prove.




Me prove
sinta meu gosto.
qual ferro e fogo
ao entrar.
Me use
e se deixe,
se largue,
se tenha ,
se encontre
e me prenda,
me faça cativo,
e me abuse,
me amasse
me mexa
me molhe
me esprema
me sinta.
E se acabe
no fim,
sem fim......!


sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Em nós...!




Teu gemido alucinado.
o proibido,
o pecado
permitido no desejo.
Sentido no gozo,
do espasmo frenético
do teu prazer.
O choro nervoso,
lágrimas em riso,
o trêmulo do corpo
intenso
em descontrole.
tuas coxas , rios de prazer
tua unha, punhal em mim.
teu berro, um uivo.
Suor
o eterno definitivo.
o tempo pára.
Em nós
se eterniza.....!

sábado, 15 de novembro de 2008

....!


Tente esconder tua nudez,

nesse espaço

que teu desejo desnuda.

Tente se cobrir em recato,

até o instante ,

que nosso pecado se encontre.

Finja gritar não,

no sim do teu corpo.

E faça do teu choro , um prazer.

um gemido que soa.

na lágrima que nasce em óleo .

luxúria

num entrelace perfeito......!

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Corpos....!










A perfeição exposta
na inspiração do querer
do irreal, do inexplicavel.
No momento que o sublime se curva,
como em reverência a paixão do instante .
Nossos corpos
se entram,
se deixam,
se prendem.
se incorporam,
se amam,
transformando o despudor, em pureza
o ansioso e incontido, em pecado.
Num desejo poema
perpetuado no absoluto.....!












quinta-feira, 6 de novembro de 2008

O tempo certo...!


te espero
no lascivo
do teu espasmo
teu lábio mordido,
no teu choro e riso
prendo o meu instante,
para te dar o tempo,
pro tempo que precisas.
Do gozo que evito.
No mexer que alucina.
Em fogo,
na cadencia do teu prazer,
me encontro enfim ,
em teu momento.
No justo momento
o tempo certo,
Desabo no teu gemido.....!


sexta-feira, 31 de outubro de 2008

continuar teu....!


quero te sentir secar

lentamente,

sem sair de ti,

me deixar, me encolher

me ver em teu olhar,

me achar,

sentir na pálpebra que se fecha,

o desejo que se acomoda,

que se faz sono.

quero simplesmente

continuar teu ,

no intervalo dos teus prazeres.....!

sábado, 25 de outubro de 2008

Sensações....!


Minha carne
que vibra em teu espaço.
espasmos,
que me aperta e solta,
sensações,
torpor, frenesi.
Transbordas no ir e vir
de meus impulsos.
Naufrago em ti.
Encarno no teu corpo.
Embarco no teu cio.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

dorso nú...!


galopar nos sonhos,
dos teus sentidos
em planicie de sedas,
lençois
cavalgando em pelo,
em pele
o dorso nú dos teus desejos.
rumo ao som dos teus gemidos .
rédeas imaginárias.
me guiam,
à quase dor do teu prazer...!

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

eterno....!


danças

ao som do teu gemer frenetico

na música sussurrada,

murmurada

onde és vocal e orquestra.

instigantemente bela,

meu corpo suado

ao ritmo sem pudor

do teu compasso,

delirio contínuo.

louco, inconsequente

meu corpo em ti, se faz teu .

No teu tremor, me entranho

espasmos

me aperta, me arranha

teu momento,

teu agora

como se querendo eterno.

como se implorasse eterno...!

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Vem...!


Mais uma vez

fingindo dormir

como me chamando,

Vem.

Teu corpo nú, a seda , lençois

chego devagar.

Teu corpo

me atrai, um imã.

voce sabe, e se mostra

se espalha, se solta.

se vira, se abre

Lasciva, se deixa.

tua pele queimada de sol,

teu cheiro.

teu modo cínico de deitar.

me advinhando,

O luar ,

a luz sem luz,

teu toque ,

a música, teu arrepio.

me excita.

me envolve,me engole.

meu corpo, entende,

se lança

transpassa o prazer da tua urgencia,

se mistura ao teu mar,

ofegante

se entrega,

explode em ti....!

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Te amo.....!


Te amo

simplesmente por querer te amar.

no limite,

na fronteira da paixão,

no precipicio da insanidade.

Um desejar alucinado,

no total desequilibrio

do equilibrio tênue da razão.

Um amor...

amor que se esvai no coração do poeta,

que se fecha,

evitando a fuga do verso perfeito,

na poesia inspirada em ti.

Te amo, te amo...!

simplesmente te amo...!

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Tu e o vento...!


O
vento ventava
como te querendo amante,
te desmanchava o cabelo.
te alisava.
A chuva,
te jogava em respingos,
Em tua pele,
te colava arrepios.
te delineava o corpo.
te envolvia nas rajadas,
qual carícias,
suspiros do
vento que ventava,
se fingindo teu....!





sábado, 4 de outubro de 2008

só....!

O impossivel sentir,

na angústia da tua espera

fico em mim,

inùtilmente em mim

escutando o mar,

sentindo o mar,

cheirando o mar....

nú, ansiosamente nú

e só....!



quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Refèm de ti....!


Teu prazer,

doce loucura,

que te faz gemidos,

sussurro que me envolve,

me aguça.

Que faz dos meus sentidos,

refèm dos teus anseios.

No meu toque,

teu choque.

Deságuas.

Me misturo em ti.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

ser


quero a insinuação do teu olhar,

na ânsia pedida do teu corpo.

O espasmo dos teus prazeres,

na angustia nervosa do teu desejo.

A urgencia da tua entrega,

na insensatez da tua vontade.

o limite do irracional,

no mistério dos teus sonhos.

sábado, 20 de setembro de 2008

Nós....!

Quero nas minhas palavras

o sussuro louco que te excita,

no meu corpo,

o roçar que busca

o ardor no compasso febril do teu desejo.

minha boca que aspira teus segredos,

suga teus enredos e sonhos.

anestesia as trilhas que minha lingua

em frenesi, percorre.

Acordando em ti

teus pensamentos mais vulgares.

tuas inconfessáveis fantasias

em doce cumplicidade,
puro delirio e paixão....!


quarta-feira, 17 de setembro de 2008

um adeus...!


Sinto no teu beijo o vazio,

uma ausencia .

No teu abraço a distancia,

o não ser.

Em tua nudez,

uma dor.

Em teu olhar,

um adeus....!

domingo, 14 de setembro de 2008

Te Amo assim...!


não sei te amar com cuidados,

e sim com a energia da entrega,

com a força do medo de perder.

Te quero em prazer, delírios

Te Amo com a volúpia de um momento único

sem pensar num amanhã,

Te Amo como se fosse a última,

a derradeira vez.

Só sei te amar assim ,

Sempre....!

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Entrega...


entrego meu corpo

à tua vontade.

Meu prazer ao teu desejo.

Meu sonho

sem cor preencho,

com a cor do teu .

( Acordo teu )

Sorrio

na inutilidade do impossivel....!

domingo, 7 de setembro de 2008

apenas num minuto, uma grande paixão




foi só por um instante,
sem pedir.
Sem sim ou não.
apenas a ansia, a loucura , o desejo
apenas olhares
o susto esperado, aguardando, provocado
Uma sala vazia,
apenas minutos, sem palavras,
sem preparos.a eternidade,
de uma ampulheta deitada
de uma doida paixão.
entregue, inerte
no gozo
Pecado, que o prazer permite.
nem que seja apenas
um momento.
Aquele momento....!

sábado, 6 de setembro de 2008

Frases quase soltas,apenas para dizer, te quero...! II




Esconda tuas vontades, num ar de mentiroso desdem.


Esconda teus desejos, num quase desafio.


se finja, olhando para longe do meu olhar.


respirando fundo o suspiro que almejas.


o gemido que anseias. Se jogue atras de um medo resignado,


escondida a espera de afagos que não tens.


Por entre buscas e lamentos, inocentes prazeres não sentidos,


apenas chorados por entre teus próprios lençois.


Que caia a lágima que molha de tristeza teus sorrisos


Tire esse véu machucado, sofrido,


jogue para longe das angústias da (in)sensatez.


Deixe teu silencio se encher de gritos do extase sonhado,


almejado, querido, e sempre inconsequentemente negado


abandonado, chorado.Saia como em fuga dessa indecisão.


Se encontre, que eu te acho.


deixa teus lábios te jogarem no despudor que anseias,


jogue em mim essa castidade imposta.


Fuja da mentira que a tua própria mentira impõe.


Quero em ti não apenas o que tua pele pede,


mas o que tua vontade suspira.


Não se acaricie, apenas usando teu pensar.


Se mostre, se invada, se enxarque no teu querer.


Despe-te para o sim das tuas vontades, para o sim dos teus tremores


Despe-te e venha .


Deflore tuas vontades ,


defloro teus temores.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

obra prima...!


Chora o licor que amacia teu espaço

ávido e sedento.

Soluça teu gemido.

sem pudores, sem recatos.

Acorda do sonho que te embala.

Enquanto dedilho em teu corpo

em cordas invisiveis, a música, que te enleva.

Dançar nas tuas ansias, valsas e tangos.

Te conduzir,

ao som de Gardel com um bandoneon imaginário,

o que tua nudez implora

tatear pelos montes e cascatas

na inspiração do teu sexo

Teus delirios em urgencias ,

gemer no espasmo justo, do teu momento.

Qual um artista fechar com uma moldura,

teu gozo.

Pintar a perfeição

No teu instante,

a obra final,

o quadro perfeito...!

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Entrega.


me entrego
num quase delirio ao sentir
o perfume que teu gozo exala,
se entranha em mim.
Escorre em ti
tua alucinada paixão
entre murmurios, gritos e silencios.
frêmitos constantes, suores e lágrimas.
Teu corpo jogado como marionete,
usado como insano instrumento do teu prazer.
O bater forte do teu coração ,
se torna aplauso constante
no compasso lúdico do teu ser.
do teu querer. do teu desejo.
Corpo mulher que morre entre os lençois,
e ressuscita no próximo beijo.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Enfim....


Quantas vezes só nos olhares ficamos, abro minha porta, sorrio, convite mudo que entendes. Entra, esbarro em teu seio , tremes......se rendendo ao desejo, a vontade, se deixando, mergulhando com força no prazer, se abrindo com a volúpia que tua carne chorosa pede. Explora enfim no meu corpo a tua mais atrevida fantasia, se perde nesse louco achado. Se confunde com meu cheiro, se lambuza com meu vinho. Leva contigo meu gosto, se embriague....!

domingo, 24 de agosto de 2008

Amor, é amar...!


Não quero ver o amor assim . Um amor obsessivo, louco, pedinte. Não, não quero esse amor não preciso desse amor. O amor não pode ser medido, pelo peso do ciúmes, pelo peso da renúncia total ao resto. O amor não proíbe, o amor precisa de respiração, de inspiração, de vida, de cor, de intensidade. O amor é alegria, é prazer, é desejo, é impudor. O amor não ofende, não agride, não algema. Não exige tempo integral, não marca hora, nem ponto. O amor é liberdade, é respeito. Não quero um amor que oprima, que vigie. Não quero um amor doente. Um amor que mata, que chora. Que quer morrer. Não preciso de um amor que obrigue. Que exige. Quero amar solto, rindo, aceitando defeitos, entendendo motivos. Não quero grilhões, quero ar. Quero ficar por querer, não quero ser obrigado a ficar. Não quero ser dono, quero ser parceiro, cúmplice, amigo, companheiro, ser o que o momento precisa. Entender loucuras, entender mau humor. Aceitar fantasias e tentar ser. Poder olhar para o lado. Poder ver que existe vida além de nós. Amor é ser, o resto vem sem pedir. A gente nasce, vive e morre. Porque exigir mais do amor...Que enquanto dure seja amado com toda a intensidade de vida, que seja vivido com paixão. E se tiver que acabar, que termine. Se transforme em saudade, e não em alívio.
É tão simples...!

quinta-feira, 21 de agosto de 2008


tua língua

em minha boca,

me enrola, me cala.

me sente.

teu gemido me cega.

Trepido,

me empurro para dentro do teu prazer.

domingo, 17 de agosto de 2008

Teu corpo fala...!


tua vontade, em penumbra

que olhos quase fechados abrigam.

Te sinto. Teu corpo úmido, no meu.

Teu desejo quase inconfessável, louco em despudor pedido,

puro instinto, cio e prazer,

minha vontade completa teu desejo,

da inocência perdido.

Lascivo pelas fantasias jogadas na cama,

no corpo em vontade fantasia saida da mente pedinte,

vestido na pele sedenta.

Te encontro, te entro, me explodo

num arco iris de cores piscadas, flashes loucos, te iluminam,

espalhafatoso gozar.

Me enxarco no teu licor. Sensações. Odores molhados, misturados por mim

teu suor, choro e riso.

Contrastes.

Dama que se faz puta, santo que tu quer cafetão.

Abre as pernas como para deixar fugir o pudor guardado.

Sem medo. No gozo da verdade.

Louca, louca, dando, se jogando na nudez.

Rindo, qual pomba, gira no nú do corpo.

No nú da alma que se transforma.

A entrega .

O desejo, o prazer, o pecado.

Uma quase insensatez, um ávido querer alucinado.

Na resposta do corpo trêmulo

que sequioso pede..!

sábado, 16 de agosto de 2008

Se tiver que chorar, choro tudo de uma vez, e não aos poucos. Tristeza não merece reprise. Não merece continuidade. Não quero , não pedi para chorar. Me impuseram a dor. Não a quero. A recebo, e a deixo. A largo, não faz parte de mim. Compreendo, entendo. Até aceito. Mas não para mim. Nasci para o sorriso, para o sol, para a vida. Não para a lágrima. Para a obrigação da lágrima.Não para me recolher ao âmago da dor. Choro o momento, choro a partida. Choro a falta. Na minha saudade, fica sorriso, alegria, e não uma lágrima.
o que tive que chorar, já chorei....!

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Força, muita força agora.

Minha homenagem para um grande amigo.
minha saudade de uma grande mulher que se foi.
Força amigo...!

o poema que voce queria fazer pra ela, é teu.


=========================================================
me encontro no irreal sonho de um acordar impossivel
me encontro no vazio, do oco disforme que me vejo .
tua voz que me sorria ,
se torna som inaudivel como um rezar rogado sem fé
o inerte do teu corpo deixado só,
pela alma que se fez luz
me encontro como um ninguem,
no meio de um povo que não sinto
Eras tu minha multidão,
choro só pelo nada que me torno.
pelo nada que fica em mim,
pelo pouco que resta de mim.
choro minha última lágrima, pranto por uma
saudade que não nasceu para ser saudade
por um adeus, que não queria ser adeus.
Choro só, teu ombro se foi.
Fico só, irremediavelmente só...!

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

nascer, viver, morrer...!


Nascer

na ilusão da minha saudade

tentando sentir uma lufada de vento

que me sopre na vida, um ar,

um sorriso que me ilumine alegria,

um olhar que me renove a esperança.

Viver

um abraço que me desperte de um sonho,

uma luz que dê cor a minha vontade,

um beijo que me de desejo ao corpo,

e um cantado gemido de gozo, que me faça

morrer

feliz de paixão...!

sábado, 9 de agosto de 2008

loucura....!







entendo nos teu gemidos,

o teu pedido de tocar meu corpo.

o teu desejo de me apertar

de me tocar com a lingua

de passear , passando-o lasciva pelo rosto

e me engolir.

Me mexer, me apertar , me morder

com cumplicidade, te deixo acender meu fogo


nas tuas mordidas sem força,no teu sugar.

lambe, me percorre, sem pressa

saboreia meu gosto,

faz teu meu prazer

me goza nos teus lábios,

me goza loucamente ...!