terça-feira, 1 de maio de 2018

frio? depende !








já deve ter quase um mes que batemos essas fotos. O frio ? estava uns 9 abaixo. O tesão ? uns 50 acima. Não precisa nem quarto, nem aquecedor ou cobertor. Eu esquento no automático...

.

sesso anale



è l'arte, è ritardo, è attesa....
é arte, é demora, é expectativa.
é medo, é susto, é impressão
é ansiedade.
É hora certa, é encaixe .
é suor e intensidade, é prazer.
é cumplicidade e sensação.
é conquista, intimidade e despudor
É gemido assanhado,
é deixar acontecer,
é apertar, é fazer carinho, é comer....
é doer, é doer um pouquinho, é não doer mais
é mania, é posição atrevida,
é dizer sempre que é a primeira vez...
sem ninguem perguntar !
é o macho, é a femea, é o cio.
é querer, é querer muito, é querer sempre.
é querer mais...
é pecado e penitencia,
é fantasia,
é entrega e liberdade,
é vontade, é o voo mais alto
é loucura
é tesão...

sábado, 14 de janeiro de 2017






no inicio
fechou os olhos
chorou, gemeu.
depois riu
riu com força,
riu o roçar da pele, o galope do corpo
riu a fantasia de desejos acontecer,
riu o latejar da carne na carne.
riu
 os cheiros, o compasso alucinado
de sensações, de veias e pelos,
de arrepios e suores.
com a mão, buscou o encaixe,
se acariciou como em transe,
levou a ponta dos dedos encharcados
à língua,
pra sentir o gosto.

E
sem pudor,
me buscou o rosto.
me lambeu a boca.
Feliz,
sentiu-se enfim em gozo..
E
tremendo,
gemeu, chorou , sorriu...




domingo, 4 de dezembro de 2016







Fui até o mais fundo possível que pude ir em ti, enquanto na superfície, nossos corpos se roçavam.
Acintosos, famintos, te arrancando gemidos e gritos num total impudor de desejos.

Nesse louco ir e vir e no atrito lascivo de pele, pelos e óleo ultrapassei o limite dos teus principios e te fiz gozar.E gozei contigo. Gozei o mais forte e contínuo gozo que voce já teve. O mais longo e profundo gozo, que nós pudemos gozar....




sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Vórtices.










...reinvento prazeres. Controlando incontrolaveis descontroles de gozo para dividir contigo no momento magico do teu primeiro espasmo. Fico latejando, em teu corpo que se encaixa e grita. Impudor de palavras e gestos num vai e vem forte e fundo, desconexo. Num compasso que morde lábios e geme, acompanhando o ritmo quente e molhado em teus tremores e suores. Dança irreal de pele e pelos que enlouquece e cura. Alquimia. Numa poesia de corpos não escrita. Tremores múltiplos, lúdicos ,constantes. olhar que se fecha caleidoscopicamente em gozo, contínuo. Multicor. Misturas cumplices. Gemidos, lagrimas e gritos. Crepitamos como brasa. Redemoinhos. Como vórtices.
Nós...




domingo, 16 de outubro de 2016

a conta, rápido...






Estava jantando com uma amiga. Uma amizade que era totalmente em cores. Uma amizade de cama e mesa. Mas sem nenhuma ligação mais seria. Afinal ela tinha sua vida e eu a minha. Mas a natureza tem coisas que nem a natureza explica. E, pensando bem, explicar pra que ?
E ela, entre uma colherada e outra da sobremesa, começou a conversar sobre sexo. mas dessa vez seu olhar estava, mais  dentro do meu, estava diferente, mais encorpada, seu pé por baixo da mesa, procurava minha perna. O modo de levar a colher a boca estava acintoso, diferente... 

__ Queria que voce fizesse amor comigo me tratando como se eu fosse bem vadia, bem  piranha, bem puta, bem vulgar. Faça o que quiser, xingue, bata, fale, ofenda. me use . Abuse disso. Arranque minha roupa, me vire do avesso. Mande eu fazer o que quiser que eu faço. Quero muito assim...

__ mas é sempre assim...  - respondi .

__ eu sei, mas gosto de falar isso, falar disso. Me solto mais. Parece que incorporo. Me sinto uma. E acho que sou. Só me prendo. mas com voce fico mais solta, Deve ser teu jeito. Adoro ser puta pra vc. Ser comida por voce.
Feito alguma coisa que baixa em mim. Que entra no meu corpo Me da vontade de falar palavrão, de rir alto. De trepar feito uma alucinada. De ser sacaneada, machucada. Adoro. Estou quase tendo um treco aqui, só em falar assim. Só em pensar. Vamos embora logo Mau. Não aguento mais. Isso é loucura. Voce desperta essas coisas em mim. Porque? vamos logo...Vontade demais, minhas pernas estão deslizando uma na outra, como uma onda.... Vamos logo..

__ Garçom, por favor a conta.

__ e bem rápido...- ela completou 





sábado, 8 de outubro de 2016







Nessa sensação de eternidade em nossas noites...não seremos nunca, lembranças ou saudades ou expectativas de longinquos amanhãs . 
Não daremos tempo ao tempo pra isso..Nem promessas, nem juras imaturas. de que adianta ?? Na atemporalidade de nossas madrugadas somos simplesmente nós, numa ansiosa urgencia do agora, do já...
Transpiramos emoções. Nesse entrelace louco de corpos suados, 
nossos mergulhos na maré alta de prazeres..Eu e voce somos desejos a flor da pele. Somos apenas corpos que se molham e 
colam. 
Nossas almas aceitam e levitam cúmplices, entendendo nessa intensidade , que somos apenas isso, as vontades loucas que nossos corpos tem...





sábado, 24 de setembro de 2016

Mulher !







Um dia perdido lá atras, 
num momento contraído, inconsequente, sem jeito
simplesmente alguem, sem amor, fez voce sangrar por sangrar.
as purezas foram perdidas nos espaços dos teus sonhos.
sem carinhos, sem certezas,
só dores e lágrimas.
simples consequencias de momentos a deriva de teus pensamentos,
dos teus sonhos, das tuas vontades.
sequelas sofridas ficaram, hibernando em teus prazeres .

Hoje passeei no teu medo,
como numa regressão terapeutica
voce voltou a teus ontens. te despertei
sarei teus remorsos, tuas angustias , teus medos e culpas

te transportei no tempo e te vi chorar
te refiz menina, e te vi sorrir
fiz amor e te acordei consciente pra vida
naquele instante então voce amou. 
Amou todos os teus desejos e medos
como que rasgando tua carne entrei em ti ,
sarei enfim cicatrizes da tua alma, te fiz amar sem culpas.
e te fiz Mulher...




segunda-feira, 5 de setembro de 2016

sem pedir licença...







...deitou só de calcinha. De bruços abraçada ao travesseiro, fechou os olhos.
A boca entreaberta, quase formando um sorriso. Uma música ao fundo. A luz medrosa da noite, fingia iluminar de cores, o ar em sua volta. Seu corpo bronzeado contrastava dedesejos e prazeres a seda branca do lençol.
Parei, fiquei olhando. O cheiro do mar, o barulho das ondas , dava o tom. Tirei minha camisa devagar, a calça sem pressa, e joguei displicente nas costas de uma cadeira.

Seu corpo , reagia com arrepios ao vento frio que soprava.
Sentei ao seu lado,o movimento fez suas costas esbarrarem na minha perna. 
O contato quente da pele na pele, me excitava. Seus cabelos bricavam em meu rosto. 
Passo as mãos nas suas costas, por entre suas coxas ,de leve, sem querer acordar, ela se vira. Os seios firmes, se deixam, como pedindo carinho, proteção. Passo a mão , aperto, sinto a sensação do toque. O bico se enrijece, minha lingua, suga, sente o gosto.
Abre os olhos, sorri
 estica o braço. Me beija....me puxa. Me busca....Sinto a sua umidade .

E abraço, me deito excitado . Minha boca quer. Enquanto meu corpo descarado roça no seu. Um arrepio lhe percorre o corpo.
Coloco displicente os dedos no elástico da sua calcinha e puxo devagar...

Enquanto o vento frio entrando no quarto fazia dançar a cortina na janela. 
e o luar cúmplice, como querendo participar, entrava lúdico, sem pedir licença !





sábado, 27 de agosto de 2016

um filme de Godard !





Nos silencios que sucedem os gemidos e tremores, continuamos abraçados. E eu continuava em voce. Nossas peles ainda suadas deslizavam nossos corpos em nós. falei alguma coisa, senti teu corpo reagir de novo. O meu tambem. Voce sussurrou algo em meu ouvido, que me arrepiou, mas não escutei o que voce disse, e pelo jeito que voce se apertava, e se roçava em mim, eu nem precisava tentar escutar. Mas entendia. Eu sempre entendia teus desejos. Tuas sensações. E na umidade do teu corpo eu forçava mais. E mais. E cada vez mais... Voce acompanhava em sintonia. E então recomeçamos. Eramos sempre outra vez.
Eramos sempre nós. Eramos sempre mais. Como numa dança louca, num salão de lençois e manchas, gemidos e gritos abafados.
Eramos o prazer que queriamos ter. Eramos nossos pecados...
Nossos segredos.
Eramos nosso enredo.
Como num filme de Bertolucci. Como um filme de Godard ...